Ernesto Lara Filho

  • Nome Completo: Ernesto Pires Barreto Lara Filho
  • Tipo de Escritor: Jornalista, poeta
  • Nasceu em: 02 de outubro de 1932, Benguela, Angola
  • Faleceu em: 07 de fevereiro de 1977, Huambo, Angola
  • Profissao: Jornalista

Ernesto Pires Barreto Lara Filho nasceu em Benguela em 1932 e faleceu no Huambo em 7 de Fevereiro de 1977 num brutal acidente de viação, com apenas 45 anos.

Ernesto Lara Filho deixou à literatura angolana com «um nome que entre finais da década de 50 e a primeira metade dos anos 60 assinou crónicas e reportagens de elevada qualidade, um pouco por toda a chamada "grande imprensa de Portugal e Angola…"

Fez os seus estudos (primários e secundários) na cidade de Benguela, vindo para Portugal onde concluiu em 1952 o curso de regente agrícola, na Escola Nacional de Coimbra.

Deambulando por vários países da Europa, trabalhou muitas vezes em restaurantes e na construção civil, como operário, para fazer às dificuldades económicas.

Depois de uma prolongada estadia em Moçambique, regressou a Angola fixando-se em Luanda, onde vai exercer o jornalismo, em paralelo com a sua actividade de quadro especializado dos serviços de Agricultura e Florestas de Angola, assinando diversas reportagens e crónicas no Jornal de Angola , na página "Artes e Letras" do jornal A Província de Angola , no Diário de Luanda , no ABC , na revista Mensagem da CEI (Casa dos Estudantes do Império) e na revista Cultura(II) .

Juntamente com Inácio Rebelo de Andrade, dirigiu a " Colecção Bailundo" onde se publicaram três livros de poesia. Devido à sua actividade política e cultural de apoio ao movimento independentista, apoio esse bem patente na sua escrita jornalística e literária, foi preso pela PIDE (Polícia Política de Intervenção do Estado)

Foi co-fundador da União dos Escritores Angolanos em Luanda no ano de 1975.

É considerado por certos críticos como "'Escritor maldito', pela sua postura de boémio e por contradizer o status quo e o bom gosto da "elite intelectual", da época (e não só).

Mesmo depois da independência nacional Ernesto Lara Filho nunca abandonou o seu espírito inconformista, individualista, humorista e a obsessiva apologia à marginalidade que constituem imagens de marca da sua poesia e dos seus ensaios.

O reconhecimento da sua obra é consagrado pela presença de muitos dos seus textos em diversas antologias literárias, publicadas entre 1957 e 1976. As suas crónicas jornalísticas foram compiladas em 1990 sob o título Crónicas da Roda Gigante.

Pulicações

Antologias:

  • Antologia de Poesia Angolana (1957);
  • Poetas Angolanos (1959);
  • Poetas Angolanos (1962);
  • O Corpo da Pátria - Antologia Poética da Guerra do Ultramar, 1961-1971 (1971);
  • Presença de Idealeda (1973), Angolana 81974);
  • Poesia Angolana de Revolta (1975);
  • Antologia da Poesia Pré-Angolana (1976);
  • No Reino de Caliban. Antologia Panorâmica da Poesia Africana de Expressão Portuguesa (1976);
  • Poesia de Angola (1976)

 Obra:

  • 1970 - Seripipi na Gaiola;
  • 1963 - O Canto do Martrindind;
  • 1961 - Picada do Marimbondo;