Arcadismo na poesia do Brasil (1769 - 1789)

Também chamado de Escola Mineira, o Arcadismo se praticava no Brasil – ainda que sem um academicismo nos moldes da Arcádia Lusitana - por um grupo de intelectuais que incluía os inconfidentes (Movimento político para libertação de Portugal, chamado Conjuração ou Inconfidência Mineira).

Principiou com a publicação de Obras Poéticas, de Cláudio Manuel da Costa e se encerrou com o fim trágico da Inconfidência, em 1789, quando foi enforcado e esquartejado o ‘mártir da inconfidência’ Tiradentes, herói nacional.

Os poetas arcádicos retomaram os modelos do Classicismo do século XVI com o soneto de versos decassílabos e rima optativa e o épico. Apesar de poetas urbanos, estavam presentes em seus poemas a paisagem mineira, as coisas da terra, um forte sentimento nativista, a presença do índio e a sátira política aos tempos de opressão portuguesa e corrupção dos governos coloniais.

Destacam-se Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antonio Gonzaga, Silva Alvarenga, Alvarenga Peixoto, Santa Rita Durão e Basílio da Gama.

Referências Biográficas

  • Poesias, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império;
  • Poesia de Alexandre Dáskalos (1975, edição póstuma fonte; In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. [Consult. 2012-02-19].
Pós-Modernismo na poesia do Brasil
A conquista do sublime literário pela poética modernista correspondeu à sua progressiva pedagogização, oficialização, daí porque se usa a palavra cânone e a expressão modernismo canônico.
Arcadismo na poesia do Brasil (1769 - 1789)
Também chamado de Escola Mineira, o Arcadismo se praticava no Brasil – ainda que sem um academicismo nos moldes da Arcádia Lusitana - por um grupo de intelectuais que incluía os inconfidentes (Movimento político para libertação de Portugal, chamado Conjuração ou Inconfidência Mineira).
Romantismo na poesia do Brasil (1ª metade do séc. XIX)
Na primeira metade do séc. XIX, o "espírito romântico" continuou, após o "espírito revolucionário romântico" inconfidente. Em 1836 Gonçalves de Magalhães publicou o livro de poemas "Suspiros poéticos e saudades".
Modernismo na poesia do Brasil (1922 - 1945)
A Semana de Arte Moderna marcou a data (1922), sem dúvida, do rompimento definitivo com a arte tradicional. Cansados da mesmice na arte brasileira e empolgados com inovações que conheceram em suas viagens à Europa, os artistas quebraram as regras preestabelecidas na cultura.
Barroco na poesia do Brasil (1601 - 1768)
Nas artes em geral, em todo o mundo, no Barroco houve um culto exagerado da forma. Na poesia brasileira isso se viu numa sintaxe rebuscada e no abuso de figuras de linguagem, o que foi questionado pelos poetas do Arcadismo.
Quinhentismo na poesia do Brasil (1500 - 1600)
Nos primeiros cem anos do chamado "Descobrimento" a nossa literatura esteve atrelada aos registros históricos e relatórios dirigidos à Coroa Portuguesa: era uma literatura de informação.