Sepultura Aberta

Naquela noite
Pareciamos tão
Desprovidos de luz
Vagarozamente adormecendo
Envoltos nas sombras
Um abraço amargo
Consumado com agonia
Tudo é estranho
E o mais estranho são os cadáveres
Que pensam que estão vivos
Seu beijo é sem sabor
Pois de onde ele vem é de plástico
Esmagando-me em seus braços
Pele pálida
Deixe-me ir
Eu não estou vivo...

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 58
  • Membros: 14
    • José Barros
    • Antóni Silva
    • Joana Oliveira
    • Paulo Silva
    • Ana Costa
    • Andeira Moreira
    • Elsa Simões
    • Helena Costa
    • Mário Atónio
    • Telma Oliveira
    • Ricardo Carvalho
    • Mauro Moura
    • Sónia Silva
    • Leandro Correia
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso