Fênix

https://wordpress.com/read/feeds/58820495/posts/1289811877

…Parte de mim que dizia te amar
Queimava os meus sonhos para te aquecer,
Fui me tornando cinzas até ser esquecido,
E chegar ao fim pra poder renascer.

Contava as estrelas procurando um destino,
Um sol que me guiasse
E me aquecesse durante o caminho,
Esperava uma mão que me ajudasse
Separar rosas e espinhos.

Nesse mar que velejo
Nas noites escuras de tempestade
Onde ansiava por faróis, 
Foi onde me encontrei mais sozinho.

A seca castigava
Eu plantava e colhia,
E na abundância
Nem sequer ver florescer eu podia,
O pouco que tinha e que ainda partia, 
Hoje me recordo 
Ainda, e em outro verbo 
De quando eu…
Partia…

Em busca de sonhos para me abastecer,
Para aquecer outro alguém
Que pudesse merecer,
Me gastar até cinzas
Como se fosse uma fênix, 
Mais resiliente em cada renascer…

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 16
  • Membros: 1
    • Paulo Silva
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso