Devoção

Poema espiritualista.

Devoção

 

Corpo, mente e alma.

Sou todo devoção.

 

Eu giro como sufi,

medito como sannyasin,

oro como um crente

e ritualizo como mago.

 

Sou todos e um em

múltiplos espelhos que se

espalham em volta

do templo, mesquita, igreja.

 

Corpo, mente e alma.

Sou todo devoção.

 

Minha é tua vontade,

divindade suprema, cosmos

de intenção, bondade,

grande mestre do amor maior.

 

Minhas veias saltam

na tua triunfal chegada,

meu sangue ferve em

ardor de fiel consagrado.

 

Corpo, mente e alma.

Sou todo devoção.

 

Crio e recrio minha

realidade porque frente

aos problemas eu sou

sempre um vencedor contigo.

 

Todo do Tao que

se revela em palavra do

cristão e em verdade

Zen, simples e absoluta.

 

Corpo, mente e alma.

Sou todo devoção.

 

Especial é tua

sagrada força e com ela

possuo potência

e claridade totais.

 

Num sopro de teu poder

eu serei uno com essa

força vital e élan

maior de todo Universo.

 

Corpo, mente e alma.

Sou todo devoção.

 

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 21
  • Membros: 4
    • Tiago Oliveira
    • Ana Costa
    • Helena Costa
    • Mauro Moura
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso