A cura que não vem

A cura que não vem

 

É uma doença o que nos aflige

no espiritual, faca que perdeu

o corte, morte que não, nunca atinge.

 

Estômago de boi a ruminar, meu

seu, nossa cura, não vem, retardando,

a vinda do homem novo, um camafeu

que está sempre distante e minando

nossa espiritualidade, em seu

máximo labor, em sua luz, amando...

 

Estrelas se apagam, mortes cósmicas

que se dão sempre em todo universo,

mostrando-nos  as ondas, nessas fórmicas,

resistentes às todas eras, imerso

em constantes, grandes mudanças, químicas.

Só nossa cura que não vem, ao inverso...

 

É uma doença o que nos aflige

no espiritual, faca que perdeu

o corte, morte que não, nunca atinge.

 

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso