Desespero

Desespero

 

Não tenho motivos para viver

no abrigo deste sofrer

que vai crescendo sem fim

e cria nódoas de amor em mim

Neste dia morrerei vivendo

no ínfimo infinito de uma emoção

neste dia dançarei gemendo

um gemido ardente no meu coração

 

neste dia d´esperanças

dar-te-ei apenas um beijo

da imensidão do kwanza;

 

Neste dia vou sorrir chorando

e cantarei em silêncio uma canção

com a verdade mais verdadeira do meu coração

 

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 60
  • Membros: 0
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso