SANGRIA DE AMOR

SANGRIA DE AMOR

Hoje acordei ressacado...
Foram inúmeras taças dessa mistura
adocicada e traiçoeira
feita do vinho
vindo
da casta dos teus tintos
E úmidos
E suculentos
E sequiosos lábios de fruta
E pedaços do teu fruto proibido;
A taça encurvada do teu corpo 
sustentei-a pela haste 
E na transparência 
dos bojos 
dos teus peitos 
podia apreciar a coloração
da reação química
dos Nossos corpos impregnados e agitados,
vertendo pelos poros suados
a acidez, a doçura e o amargor
deste magnífico cocktail.
O suave aroma frutado
exalado pela tua excitação
aguçou as minhas papilas gustativas,
roubando-me os sentidos
e embriagando-me de prazer.
O frescor do calor dos teus sussurros
e a frescura dos gemidos da tua voz
encorparam o teu ponto G,
Estimulando-me
E aumentando-me
o desejo por mais uma,
mais outra
e mais fresca SABGRIA DE AMOR
By Martinho Augusto
from Angola

De Martinho o poeta

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso