A FORÇA DO AMOR

Porque subitamente o coração dispara?

Porque de repente a noite não é clara e demora a partir?

Porque os nervos tinem e estalam? O que é esta febre a nos consumir?

Porque este sorriso tonto na cara, quando rolas na cama e finges dormir?

O que é esta ferida que pulsa e não sara?

O que essa coisa que quanto mais dói, mais se quer sentir?

Porque ver alguém, passou a ser exigência tão cara?

Porque as estrelas não falam? O que faz a manhã tão clara se a luz do sol não está a luzir?

O que lhe faz sentir-se tão leve, os que faz seus problemas tão breves

O que lhe dá esta nova dimensão, porque nada consegue mais lhe atingir?

Porque você só vive para ela, porque você mesmo deixou de existir?

Porque nada mais importa? O que fez a dor de viver, de repente, sumir?

Porque agora sente, esta vontade louca de perdurar, de subsistir?

Só pode ser o amor, que invadiu o seu ser, esta força sem controle,

Que não se sabe se lhe constrói ou se vai lhe destruir!

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 20
  • Membros: 1
    • Paulo Silva
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso