Au, au.


Vai diga que não.
Que o amor não foi nossos momentos de paz.
E ti direi.
De quantas vezes rolamos na cama.
Acalmando nossas insônias.
Com aconchegos de mais.
E que apenas.
O relógio em cima de um criado mudo.
Foi.
A testemunha de nossos delírios fatais.
Diga que não me quer mais.
Vou olhar bem dentro dos seus olhos.
Sorrir, sair sem bater a porta.
E prometo em nem olhar para traz.
E sabe  por que.
Para não ouvir você me dizer.
- Isso pode ir, não ti quero mais.
Por hoje.
Pois sei que amanhã vira correndo a lamber os meus pés.
Igualzinho a um cão largado.
E quando chegar ira ver o presente que ira ganhar.
Uma coleira e uma corrente.
Para ti prender ao pé da cama.
Quero escutar você uivando só para uma Dona,,,

JC

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 24
  • Membros: 0
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso