Apenas uma explicação do AMOR!

Tentativas de se explicar,

Algo que talvez não seja explicável,

E na doçura de um sentimento,

Que seja a percepção seja tão latente.

                                                        

Em toda a vida, esperamos algo assim,

Perna tremula, olhares fixos,

Coração acelerado, temperatura alta,

Mente incontrolável e momentos esperados.

 

A explicação destes reflexos,

Por muito tempo é discutido,

Com muita filosofia, e por palavras,

Algo assim, não tem uma formula explicita.

 

Longos anos, de tanta discussão,

De corações despedaçados, e mentes contrariadas,

Outros, alegres, e reflexos inesperados,

Assim se da às extremidades de um sentimento verdadeiro.

 

A palavra se torna simples, mas os sentimentos inexplicáveis,

Muitos realizaram tentativas e quantificações,

Nada se compara a sensação e inexatidão das respostas,

Assim se faz com o que esta no peito. Sem respostas!

 

Prefiro assim, ver assim, algo assim,

Sem pretensão latente, sem pressa nos acontecimentos,

Caminhado em um caminho em comum, a espera de algo,

Totalmente sonhando em dias de insônia.

 

Tento somente falar de algo inexplicável,

Sem tradução, descrito em algum livro empoeirado,

Em uma estante largada no fundo de um coração esquecido,

Com tantas marcas e vontades desenhadas no âmago.

 

O AMOR é retratado assim, abstrato, sem paladar,

Perceptível somente a aqueles                que se entregam,

Sem alguma explicação ou entendimento da matéria,

Assim espero sentir algum dia, pois o entendimento não se faz aqui.

 

No fim tentamos apenas explicar,

Algo inexplicável aos corações frios,

Cheios de regras e postulados,

Não se descobre em livros ou folhetos,

Simplesmente acredita naquilo que nunca se viu!

 

Assim é o AMOR! Daqueles que se AMAM! 

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso