Convite de fevereiro!

Ainda posso ver aquele olhar,

De certa forma senti-los,

Quando a admiração era real,

E os sentidos se uniam em uma só carne.

 

Sempre penso na vida e nas consequências,

De atos escolhidos, e de certas verdades,

Algumas trilhamos outras apenas vivemos,

Na vida as incertezas são reais, como apenas viver.  

 

Certas pessoas não escolhemos para andarem conosco,

Outras realizamos a simples tarefa de convida-las,

Mesmo com todas as incertezas e verdades enfrentadas,

De qualquer forma na profunda tristeza que sinto.

 

Faria novamente a escolha, pois este me fez eu,

E não me importaria passar novamente pelo calvário,

Que ora por mim escolhido, e nada neste mundo,

Faz-me escolher outro caminho, mesmo o que sinto.

 

Deus nos concede amar, viver e até respirar,

Envia-nos anjos para nos fazer viver de uma forma melhor,

Eu vi meu anjo aqui na terra, ele se fez real,

E no meio de tantas escolhas, você apareceu.

 

Fez-me enxergar o quanto meu sorriso e precioso,

O quanto posso ser especial, e o ato de respirar,

Não é apenas mecânico é natural, como a brisa,

Se fora assim, amar-te, sem te ter.

 

Acredito que nossa historia, estão registradas,

Na escuridão de nossas noites, e nos sorrisos,

Que fizeram a diferença para ambas as vidas.

Não foi em vão,  e nem triste, foi feliz pois esta ainda em mim.

 

No meu convite de se fazer a curta trilha de vida comigo,

Pude ver o quanto foi e de uma estranha vontade,

Ainda se faz muito importante, esta em mim,

Como estou em ti, naquele mesmo olhar.

 

O meu convite se perdeu no tempo,

Neste mesmo estou eu aqui, e você em seu mundo,

Mas na certeza que ambos fizemos a escolha correta,

E que dias melhores virão para dois olhares daquela tarde,

De fevereiro ensolarado, e que seu sorriso nunca esquecerei.

 

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso