Uma flor

Por que, da terra,
Arrancaste esta flor
E a puseste
Num vaso sem água?
Agora está murcha, tu vês
A cor desvanece
O perfume se esvai
Tuas mãos espinhosas
Feriram-lhe
As delicadas pétalas
Já não têm seiva, tu vês
E sob a ácida chuva
Do teu preconceito
A flor se desfaz
E seus restos mortais
Segue o curso
Da estupidez

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 26
  • Membros: 0
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso