Ferramenta de Poeta

A exaltaçao a felicidade de se pensar poeta, mesmo que por convicção própria é o motivo para acentuar as necessidades simples e cotidianas que possibilitam este transbordar de sentimento. A liberdade consubstanciada ao papel, tinta e caneta e ao transbordar de emoções.

Ferramenta de poeta

Eu preciso de uma caneta de boa tinta,

Preciso de uma escrita clara, legível.

De um tema que do papel se liberte.

Eu preciso desenhar sobre o papel.

Construir estrofes e versos descritivos.

 

Com sentimentos uns meus, outros não,

Preciso desaguar num mar de letras,

Palavras que sobem e transbordam,

Num sem razão de horas e ocasiões.

 

Não posso me conter. Sou poeta!

 

E no exercício aproprio-me da vida,

De forma singular, mesmo que no plural.

Se a vida não é minha, tomo-a, assimilo.

Traço e teço destinos, jornadas, histórias.

 

Sou eu distendida, sempre em expansão.

 

Para além-fronteiras do corpo e da razão.

Eu sempre poeta, elucubrando magias.

Poeta não precisa de explicação, de lógica.

Poeta não precisa de sentido ou razão,

Poeta só precisa de papel, tinta e poesia.

 

            Rosamares da -           18/09/2015

 

 

Poemas de Da Maia, Rosamares - Brasil, Rio de Janeiro, Ano de 2016.

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 34
  • Membros: 0
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso