Ó Noite, Coalhada nas Formas de um Corpo de Mulher

 Ó noite, coalhada nas formas de um corpo de mulher

vago e belo e voluptuoso,

num bailado erótico, com o cenário dos astros, mudos

                                                                                 [e quedos.

Estrelas que as suas mãos afagam e a boca repele,

deixai que os caminhos da noite,

cegos e rectos como o destino,

suspensos como uma nuvem,

sejam os caminhos dos poetas

que lhes decoraram o nome.

Ó noite, coalhada nas formas de um corpo de mulher!

Esconde a vida no seio de uma estrela

e fá-la pairar, assim mágica e irreal,

para que a olhemos como uma lua sonâmbula.

 

, in "Mar de Sargaços"

Actualizado em , 2.824 Acessos

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes: 56
  • Membros: 4
    • Tiago Oliveira
    • Ana Costa
    • Helena Costa
    • Mauro Moura
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso