Saio para a noite

Saio para a noite. como que a procurar
todos os caminhos da noite.

sorrio sorrisos obtusos,
para as putas que me sorriem,
sorrisos mensagem como que a dizerem:
o mundo «não é só das prostitutas
A cheirar esperma de mar»(1)

É de gente «com a inquietação resignada.»

Gente que dorme nos portais
«embrulhada em cobertores de frio».(1)

Gente precocemente envelhecida,
«com musgo na cara, de tanto chorar desde as fontes»(1)

Gente arrastando solidão nos olhos,
mas que resiste à dor de saber,
que a morte
tem a dimensão exacta do seu tamanho.

Gente, que não sai para a noite,  como eu saio,
porque a noite
já é o seu lar e o seu dia
onde as árvores gritam,
e o vento traz novos fantasmas
uivando paraísos de fome na primavera.

Saio para a noite.

desço a avenida grande
e canto,
o espanto da noite enfarpelada
desta cidade estóica,
graniticamente  cosmopolitizada
onde o tempo apodrece,
alheio
ao olhar dos cadáveres, sem mortalha,
sem deuses
nem diabos a enfeitarem a morte.

Saio para a noite
cumprindo o meu destino de poeta,
dizer a toda a gente:

« o sol vai nascer».

  1. José Gomes Ferreira
ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 2.095 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso