Milagre Natalício

Passeava como que sem rumo
Absorta ao movimento agitado
Da avenida.

Na sua mão
A mão da criança
Três anos. seu filho.

Pararam
Na montra da loja grande
de vidro muito brilhante

E a criança fica arrebatada

Olhos esbugalhados
Pelo espanto de tanta fantasia.

De repente
puxou a mão da mãe
Com o dedo em riste aponta
Mamã! Quero aquele.

Olhou a montra
 
Não falou

E o espelho da montra
reflectiu a imagem do automóvel
que  parou atrás de si

o coração apertou
sua cabeça falou
 
Puxou a criança
três anos. seu filho
e numa voz sumida
parecia envergonhada disse

Sim meu filho
O pai natal vai trazer
O brinquedo que muito gostas

Horta, Dezembro 2007

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 2.302 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso