Dominical marinho

Sem angústias neurofóbicas nem ansiedades transcendentais,
Libertado de preocupações metafísicas,
metalinguísticas e de todas as metaqualquercoisa
fixo a linha que limita o infinito do meu finito.

descanso hoje as dores d’ontem.

E este mar,
o mesmo mar que acoita
as kiandas longínquas do meu enfeitiçamento,
Parece cansado!

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 1.872 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso