Depois deste verão morrer

Virá o Outono desfolhar
a copa destas árvores que me abrigam.

Não haverá, decerto, andorinhas
esvoaçando alegre livremente
enchendo este céu de chilrear.

Os dias, perderão o seu brilho ouro.
As noites serão mais longas.

Tudo parecerá mais melancólico.
As praias ficarão desumanizadas.
mas estará lá sempre o mesmo mar
beijando languidamente as suas areias.

A cidade manterá o seu ritmo frenético.
Haverá as mesmas virgens
sonhando à frente dos espelhos,
esperando um qualquer príncipe novelesco.
Haverá homens que se enforcarão.
Paixões que explodirão.
Amantes sem amante masturbando-se secretamente.

Haverá telejornais pontualmente
enaltecendo  este mundo cão.

Haverá « os sem pão, e os sem sobremesa.»

Depois deste verão morrer…
Haverá sempre mais vida .

Setembro de 2005.

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 1.971 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso