Alma Viajante

Insubmissa memória
atravessas tempos
celebrando quotidianos
impregnados de silêncio
no tempo inútil

Caminhas "insolidões"
na monotonia dos outubros
Memória fragmentada

No meio de tanta solidão
mal fingida
decifras sonhos na gulosa
nitidez dos beijos roubados
ás madrugadas aldeagas.


Dissimulas dós de angústia
ao descer pelo cordão umbilical
que une a guitarra ao quissange

 Mágica catarsia
de todos os rios
que fazem
a geografia do amor

Fado
eterno ou precário
redescoberto na dor que dói

Junho 2007

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 3.086 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso