Texto 7

Os hortos contorcem-se quando a folhagem
Respirando brutalmente
Activa a combustão da memória.

É sempre em Novembro que o tempo muda

a loucura ganha asas

as hortênsias contorcem-se da raiz à flor

E tudo regressa ao silêncio suspirante da noite rutilante.

 

Só os mortos não regressam das suas grutas arrepiadoramente luminosas.

Por mais que transpirem as açucenas as camélias

Ou mesmo as bunganvilias.

Neste mês de Novembro os mortos cumprirão a sua vocação.

 

Manuel C. Amor
2014

(in Sinfonia Nocturna, em preparação)

 

 

ETQ_ACTUAL em 16.11.2016, 1.213 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso