há sempre um tempo antes do tempo

" há sempre um tempo antes do tempo "
Pepetela

Mas eu que não tenho memória de Paraísos Perdidos
Nem busco Terras Prometidas
Recuso a ideia de Deus,
essa divindade cruel e caprichosa,
sem motivo convincente
que permite neste mundo o supremo escândalo
de crianças com fome,
crianças que sofrem e morrem

Defronto esse absurdo
“abismo sem fim, colocado diante do ser humano.”
Estarei sempre do lado dos outros
declarar o meu inconformismo
face à impotência humana contra a morte.

A minha meta é o presente, aqui e agora
O passado, são águas passadas. Que enterre os seus mortos.
O futuro trará os seus cuidados
Não me pertence. Não me pertencerá

Esse o meu compromisso com a vida.
A minha liberdade de escolher
os meus caminhos
Os meus rios.
A liberdade de recusar adiar a hora de viver.

Não evito o presente

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 2.546 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso