Dar tempo ao tempo

AH! o pretensiosismo obsceno
destes abjectos senhores 
fruto dos muitos favores
das vantagens fáceis do poder
do trafico de influências

Distribuem gracejos,
afáveis sorrisos
sem pudor
já não escondem a sua indecência,
nem disfarçam
a peçonha das suas tramas.

Mas o dia virá
que o chão fugirá dos seus pés.

Rio Maior, Setembro 2006.

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 3.381 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso