Trazes nas mãos

Trazes nas mãos
o destino traçado
por antepassados que circulam em ti
geneticamente acomodados
à alma

E o coração
na confusão de todos os amores envolventes
compassa raivas
ciúmes
ironias
devassidão
alienação
Em busca de uma solução.

Trazes contigo o tempo inexpugnável
Onde a vida
enlouquecida pelo fogo do desejo
bebe  doces vinhos

Acelera
o mistério de morrer lentamente.

Horta 1 Novembro  2010

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 1.570 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso