Oficio de noitibó

“Na noite esboça-se o risco infinito da morte.”

O hoje trouxe-me o cansaço das savanas do leste do meu coração.
E foi preciso um rio para me recompor.

Agora
De mãos nuas
e ainda com cinza nos olhos
procuro decifrar o teu corpo.

À superfície das águas
cheiros de maboque em flor.

Horta 2010

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 1.617 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso