Pós-Modernismo

A conquista do sublime literário pela poética modernista correspondeu à sua progressiva pedagogização, oficialização, daí porque se usa a palavra cânone e a expressão modernismo canônico.

Alto Modernismo - O modernismo viu completada sua dialética na fase canônica do alto modernismo, configurando-se enquanto totalidade. É inerente ao conceito de alto modernismo a noção de que corresponde ao fechamento, momento de completude. Quando já não se pode mais ser completado, diz Derrida do suplemento, a repetição de traços modernistas passa a dar-se num espaço fora, propício a deslocamentos.

1968 definiu o início de um primeiro momento pós-modernista, ainda contracultural, em que se combinavam elementos de vanguardismo e pós-vanguardismo.  O pós-modernismo diz mais respeito a um contexto cultural e histórico que propriamente a traços estilísticos.

A tradição da ruptura, que foi a idéia que se estendeu desde o Romantismo, foi chegando a um momento de esclerose. Como diz Octavio Paz (citado por Santiago:2002), ‘a arte moderna começa a perder os poderes de negação (...); a negação deixou de ser criadora’. A estética da ruptura vai chegando ao fim e no ocaso das vanguardas emerge o pós-moderno.

A geração 70 escrevia num coloquial chegado à gíria, como Paulo Leminski, os da geração 90 optaram por um coloquial mais “nobre”.

1980 foi pós-vanguardista, pós-contracultural, intelectualmente marcado pela superação acadêmica de diversos aspectos do estruturalismo e do marxismo.

Os anos 80 foram a década yuppie, que enterrou os valores da contracultura e revalorizou o saber, então empacotável como produto de consumo cultural, pedagógico. Cresceu a preocupação com o caráter funcional e pedagógico das manifestações artísticas.

Destacam-se nos anos 80 Ana , Adélia Prado e Manoel de Barros. A poesia marginal trouxe de volta a questão do sujeito e o valor do subjetivo na poesia. Poesia: discurso da intimidade. Mas a subjetividade pós-moderna já não é a mesma da 1ª metade do século XX. O sujeito pós-moderno existe na moldura da visibilidade total e o sujeito poético é uma projeção desse novo tipo de indivíduo.

BIBLIOGRAFIA

  • MORICONI, Italo. Pós-modernismo e volta do sublime na poesia brasileira. In: Poesia hoje. Rio de Janeiro: EdUFF, 1997.
  • SANTIAGO, Silviano. Permanência do discurso da tradição no modernismo brasileiro. In: Nas malhas da letra. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.
Actualizado em 15.08.2013, 36.344 Acessos

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso