Poética

Poesia, como sobrevives
ao monólogo das bombas?
e pulsas ainda, fútil,
no refúgio das sombras?

Poesia, quem te imagina
perene fruto? ácido
o sumo, impenetrável
a polpa de ferro ou aço?

Um fermentado objeto
nasce nos mangues
- Homem - perdido
entre o pus e o sangue.

A Poesia não sutura
seu coração aberto,
nem indica (entre cruzes)
o rumo certo.

Poesia, negro remorso,
arrasta sobre nós
teus podres remos:
e deixa-nos sós.

ETQ_ACTUAL em 09.08.2012, 2.197 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso