Das águas que o rino escolhe

Das águas que o rino escolhe
da pedra a que o vento encosta
do unto a que o tempo obriga

dos sais que a estação abriga
do pasto a que o gado aspira
da lua em que o vento vira

Não há pastor que não saiba.

Não há pastor que não saia de alguma curva da infância.

1988, Hábito da terra

ETQ_ACTUAL em 07.08.2012, 2.337 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso