Colheitas Uterinas

Da paisagem testemunhei a prova de fogo.
o silêncio material e a riqueza metafísica
na tua lavra, irmã, há colheitas uterinas:

uma nova viagem para que nos regressemos
nós mesmo na indiferença.
Liberdade sem medo, conta os dedos da
tua mão procriada, conta P’ra nação
nosso machado secreto canta pela raíz.
- tens essa noção de fogo em tua tabuada”

João Tala
in: «A Forma dos Desejos» 1997

ETQ_ACTUAL em 05.12.2014, 2.686 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso