Por entre as margens da esperança e da morte

por entre as margens da esperança e da morte
meteste a tua mão
e

eu vi alongados nas águas
os dedos que me agarram
em lagoa de um sonho
corpo de jacaré
é soturna jangada de palavras secas
por entre as margens da esperança e da morte

Fiapos de sonhos 1992

ETQ_ACTUAL em 06.08.2012, 2.769 ETQ_ACESSO

Conteúdos Populares

Últimas no Espaço Aberto

Poetas em linha

  • Visitantes:
  • Membros:
Lusofonia Poética - Portal de poesia lusófona © desde julho de 2007
Regras, Termos & Condições de uso